Ponto de Vista
É relativo

Obstáculos aparecem para todos o tempo todo, individualmente ou não, e é o caminho que tomamos para superá-los que determina o nosso caráter e a nossa grandeza. Ter um ponto de vista não é o bastante; ter o ponto de vista correto, sim.

Who?
Um de um todo.

Eu sou um monte de coisas, e coisa nenhuma... Eu prezo os meus amigos, a lealdade entre eu e eles e almejo uma vida ideal com uma moça ideal (como se isso fosse algo inédito pra alguém) Nome: Victor Augusto Cardoso Osório.

More?

Andando pra pensar
São, neste mundo louco.

Chiku no Genkaku
Strange Performed
Ouvir Lune
Vaso de Planta

Sinta-se livre para divulgar
Sinta-se livre.




À nostalgia
E ao desenvolvimento contínuo.

Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Outubro 2008
Dezembro 2008
Fevereiro 2009
Maio 2009
Agosto 2009

Considerações finais(finais?)
Meu céu.

O B R I G A D O


Aceleração Escalar Média
When? terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Não importa o quanto se tenta inovar. Somente a idéia de inovar por si só já é batida. E você me pergunta: O que fazer então? E eu te respondo: Ué, se criar não adianta, vamos descriar, então!

Descriar o quê?

A objetividade, que faz a vida menos pensante e mais fazente. Menos carinho e mais sexo.

A ganância, que nos faz ser invejosos, violentos. Como aquele seu ex-namorado que resolveu seguir seus passos pra descobrir com quem você anda, só pra poder te chamar de vadia, e/ou dar uns tabefes no seu companheiro.

Estereótipos, lógico. Não vou me alongar muito neste ponto, em seu íntimo, qualquer um que leia este pedaço fedido de papel riscado(?) sabe do que eu quero falar, então, vou dar umas palavrinhas pra que refresquem as memórias: Vivos - Não-vivos, Lápis - Caneta, Deus - Diabo, Pênis - Piu-piu, Vampiro - Lobisomem, Grandes - Maiores, Pequenos - Pequenos. Entre outros.

E finalmente: O Amor... Ah!, o amor! Aqueles poucos que entendem o significado de amar vão me desculpar por essa generalização... ou talvez não...
Que bom que é amar... dar uns beijinhos, sair de mãos dadas, jantar em família... epa! É isso mesmo? Todo poeta que se preze já deu sua palhinha sobre este sentimento, mas nenhum deles conseguiu expressar o amor de Romeu e Julieta, nem o próprio Shakespeare, que resolveu que iria dramatizar Hamlet, visto que "Ser ou não ser?" é mais fácil de responder do que "Como funciona o amor?". E como posso eu pedir para descriá-lo?! Que absurdo! Mas o fato é que Romeu e Julieta não existem. O amor se tornou algo cotidiano, normal... O amor, na verdade é raríssimo, e talvez isto que eu escrevo aqui agora, devesse fazer parte do parágrafo acima, mas com uma diferença: o amor é essencial, então descriá-lo, consiste em depois reaprendê-lo e conservar sua essência.

Depois de tudo isso poderemos nos concentrar em inovar, desvendar os mistérios do universo, etc, etc, etc...

Sim, ali ao lado é uma imagem do nosso querido Windos Média Player, representando mossa vida medíocremente inovadora. Pra piorar... é o queridinho da pró, o média 11...

-> Ei, você! Você menina que eu amo!, você não é só mais uma. Você nunca foi, mas você sempre foi! E agora não é mais.

Rach was here. -
09:06


6 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Eu aprendi com certas pessoas ultimamente... Há quem confunda carinho, afeto, dedicação, generosidade e tantos outros sentimentos com amor... Posso dizer que amo uma pessoa. Essa pessoa me faz feliz, e eu faço de tudo para fazê-la feliz, não a tiro do pensamento nunca e estou disposta a dedicar minha vida inteira para fazê-la se sentir sempre na mais perfeita perfeição. Mas será que realmente amo? Me diga você, que já amou!! Eu amo? Ou melhor, VOCÊ ama? Como pode dizer que isso que você sentiu é realmente amor? Ninguém nunca conseguiu definir esta abstração tão concreta para poucos, pois é impossível traduzir sentimentos em palavras! Eu creio que amor tenha intensidades, mas há quem discorde disso, e amor é simplesmente amor... E sabe de uma coisa? Eu não sei!! Pode ser que eu ame com menor intensidade que a média do amor, ou que eu ame mais intensamente que o próprio amor, ou pode ser que eu nem ame!! Eu só sei que não me importo a mínima em saber, e não vai ser nenhum filósofo que sabe botar palavras em ordem bonitinha que vai conseguir me convencer que o que ele diz naquele monte de palavras aleatórias é o correto... Eu continuo dizendo que amo... meus amigos, meus familiares, a pessoa que aceitou meu coração, e até o inútil do dono dese blergger!! Todos em intensidades diferentes, provavelmente... e isso já me basta para viver alegremente!!

SEKAI WA SORE WO... AI TO YOBUN DA ZEEEEEEEE!!!!

Ass: The Annonymous in Love

29 de janeiro de 2008 10:52  
Blogger Rach disse...

Eu te amo também. =D

29 de janeiro de 2008 12:05  
Anonymous Anônimo disse...

REAL...AMOR É MUITO NOSSO, SE CONFUNDE COM NOSSA MATRIZ E COM O QUE ACONTECE EM NOSSO MEIO, OS ACIDENTES DE PERCURSO...MAIS É FUNDAMENTAL, É PRECIOSO E PRECISO...NOS ACALMA, NOS FAZ BEM.

29 de janeiro de 2008 18:02  
Blogger Rach disse...

Isso foi minha mãe analfabeta que escrevei "mais" ao envés de "mas"...
Sabe porque digo isso? Porque foi ela que me fez ser perfeccionista com minha escrita/fala. E tenta não escrever em Caps Lock, mãe... ^^''

30 de janeiro de 2008 01:05  
Anonymous Anônimo disse...

Eu não sou mesmo só mais uma? *o*

Ah, eu também te amo. <3

Hahaha, só porque você se irrita com anônimos.

;@

16 de fevereiro de 2008 22:12  
Blogger doralice disse...

parece que o amor chegou aí...

19 de fevereiro de 2008 20:44  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial